Geral

Morte por varíola dos macacos no Brasil é a primeira fora da África no atual surto, apontam dados da OMS

A morte de um homem de 41 anos no Brasil, vítima da varíola dos macacos, é a primeira fora da África registrada no atual surto da doença, de acordo com os dados mais recentes disponíveis em relatório publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O documento da OMS compila dados dos casos e de mortes notificados até 22 de julho e foi publicado na segunda-feira (25/07). Ao longo desta semana não houve óbitos divulgados na Europa ou em outros países.

Por isso, a morte ocorrida em Minas Gerais é atualmente considerada a sexta no mundo desde que o atual surto foi verificado. Horas depois da confirmação no Brasil, a sétima morte no mundo foi declarada na Espanha, a primeira na Europa. Antes dos desfechos no Brasil e na Espanha, três mortes já tinham sido verificadas na Nigéria e outras duas na República da África Central.

Os 10 países com mais casos notificados:

Espanha – 3125
Estados Unidos – 2316
Alemanha – 2268
Reino Unido – 2137
França – 1453
Países Baixos – 712
Canadá – 615
Brasil – 592
Portugal – 588
Itália – 374

Perfil do paciente brasileiro

A vítima brasileira tinha graves problemas de imunidade, e estava internado no Hospital Eduardo de Menezes, em Belo Horizonte. Ele morreu na quinta-feira (28/07). O secretário de estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, disse que o paciente que não resistiu estava em tratamento oncológico (linfoma) e era imunossuprimido.

Nesta semana, a cidade de São Paulo confirmou os primeiros casos da doença em crianças. A varíola dos macacos é transmitida de uma pessoa para outra por contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama.

A doença geralmente se resolve sozinha (é autolimitada) e os sintomas costumam durar de 2 a 4 semanas. Casos graves podem ocorrer, mas a varíola dos macacos é bem menos letal que a varíola humana, erradicada em 1980. Nos últimos tempos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a taxa de letalidade da varíola dos macacos foi de cerca de 3% a 6%; para a varíola humana maior, esse percentual chegava a 30%.

A doença ainda não tem uma vacina específica, mas três vacinas já existentes contra a varíola humana podem ser usadas para proteger contra a varíola dos macacos. Alguns países já estão aplicando uma delas, mas ainda não há previsão de chegada no Brasil.

Casos no Brasil

Até esta quarta-feira (27), o Brasil tinha 978 casos confirmados de varíola dos macacos, em 15 estados e no Distrito Federal:

São Paulo (744)
Rio de Janeiro (117)
Minas Gerais (44)
Paraná (19)
Distrito Federal (15)
Goiás (13)
Bahia (5)
Ceará (4)
Santa Catarina (4)
Rio Grande do Sul (3)
Pernambuco (3)
Rio Grande do Norte (2)
Espírito Santo (2)
Tocantins (1)
Mato Grosso do Sul (1)
Acre (1)

Os números podem variar em relação aos das Secretarias Estaduais de Saúde por causa do tempo de notificação ao ministério. Inicialmente, o Ministério da Saúde havia informado que o paciente que morreu nesta semana era de Uberlândia (MG). Depois, entretanto, o governo de Minas Gerais afirmou que o homem era de Pará de Minas (MG), município a cerca de 80km de Belo Horizonte.

Emergência de saúde global

No sábado (23/07), a varíola dos macacos foi declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma “emergência de saúde global”. A decisão pode levar a um maior investimento no tratamento da doença e avançar na luta por vacinas, que estão em falta. Na prática, o estado de emergência obriga agências sanitárias pelo mundo a aumentar medidas preventivas.

Atualmente, só há outras duas emergências de saúde deste tipo: a pandemia do coronavírus e o esforço contínuo para erradicar a poliomielite. Mais de 18 mil casos e 5 mortes pela doença já foram relatados à organização, em 78 países. Mais de de 70% das infecções vêm da Europa e 25%, das Américas.

Fonte: G1

Edição: Gabriela Prestes

Siga e curta a JP News nas redes sociais:
Twitter
Visit Us
Follow Me
YouTube
YouTube
RSS
Seguir por Email