ÁUDIOENTREVISTASNotícias

Promotor eleitoral de Osório esclarece compra de votos em Itati

O promotor eleitoral de Osório Fernando Andrade Alves participou do Pan News em Discussão na manhã desta quarta-feira,30, onde esclareceu investigação eleitoral a cerca de compra de votos no município de Itati. Conforme o promotor, a situação veio ao conhecimento do Ministério Público Eleitoral ainda no mês de novembro. “ Tivemos acesso a um vídeo onde uma cabo eleitoral de um candidato a vereador repassa dinheiro a uma eleitora”. Disse o promotor.

 A filmagem foi feita pela própria eleitora, a cozinheira Marieli Quadros Guimarães que afirmou ter sido procurada com uma oferta para vender o seu voto. Com um celular escondido, ela filmou a negociação com uma mulher que ofereceu marcação de exames e atestado médicos. A oferta também envolve uma quantia em dinheiro.

Na imagem, a cabo eleitoral entrega um santinho e metade do valor prometido. Marieli recebe e, em troca, dá o seu título eleitoral. Ela afirma fazer campanha para o vereador eleito Diovani Chaves da Silva, mais conhecido como Rato, do MDB. “Eu confio na tua palavra, como tu confia na minha. Eu tinha te dito que ia te trazer R$ 300”, diz a cabo eleitoral, na gravação. Marieli entregou o material ao Ministério Público, junto com o dinheiro recebido.

O promotor informou que foi aberto um processo de captação ilícita de sufrágio, o que poderá cassar o diploma do vereador e anular os votos a ele designados e inelegibilidade por um período de 8 anos. “ São três ações: ação de captação ilícita de sufrágio, ação de investigação eleitoral e ação penal”. Informou  o promotor.

Alves opinou que o eleito não tem legitimidade para assumir o cargo e salientou que em Itati há um fato atípico pois a cidade tem 2.300 habitantes, segundo o IBGE e 3.200 eleitores, segundo o TSE.

Em relação ao crime ser de natureza política, o promotor afirmou que a vítima se sentiu ofendida e que não houve motivação política ou de retaliação. “ A compra do voto foi feita de forma muito rudimentar e de fácil percepção da polícia e da Justiça Eleitoral”. Completou Alves.

O vereador acusado da compra de votos toma posse nesta sexta-feira e aguarda os procedimentos legais. Somente deixará o cargo em caso de condenação com trânsito em julgado no TSE.

Ouça a edição completa

 

 

 

Siga e curta a JP News nas redes sociais:
Twitter
Visit Us
Follow Me
YouTube
YouTube
RSS
Seguir por Email